• Eu, Vampiro ("Amor Corrompido") 
  • Escritor: Joshua Hale Fialkov
  • Desenhista: Andrea Sorrentino
  • Colorista: Marcelo Maiolo ;
  • Ano: 2011
  • Evento: Novos 52
  • Arco: Amor Corrompido
  • Publicado no Brasil em: Dark Nº 1 pela Panini

SINOPSE:
Por centenas de anos, o vampiro Andrew Bennett manteve a humanidade a salvo dos horrores do mundo sobrenatural, graças a uma trégua que ele fez com sua ex-amante Mary, a Rainha do Sangue. Mas agora essa trégua chegou a um fim sangrento e Andrew deve fazer tudo ao seu alcance para impedir que Mary e suas forças das trevas entrem em uma matança - e ela planeja começar com os heróis do Universo DC!
REVIEW:

Com o anúncio da DC Comics de que eles iriam fazer uma série chamada "Eu, Vampiro" como parte do relançamento dos "Novos 52", fiquei certamente intrigado, pois a mistura deles no mundo dos super-heróis poderia oferecer algo realmente interessante. Eles certamente não são desconhecidos no mundo dos quadrinhos tradicionais de super-heróis, mas, colocando-os nas sombras aqui e depois trazendo-os lentamente para a frente, você pode ver facilmente o potencial de um evento ou algo significativo acontecendo no caminho para amarrá-lo firmemente ao universo principal da DC.

Andrew Bennett e Mary, Rainha do Sangue, são personagens que originalmente apareceram pela primeira vez em 1979 em "House of Mystery # 290", mas não posso dizer que estou realmente familiarizado com eles. A interação entre eles é lindamente retratada e você realmente percebe o que eles significam um para o outro, juntamente com o dilema que eles não enfrentam.

O personagem principal, Andrew Bennett, conversa com Mary, a quem ele se transformou em vampiro séculos atrás e que está cansado de viver nas sombras. Andrew não quer matar humanos, e na verdade passa seu tempo caçando outros vampiros. Nessa primeira edição é estabelecido que Andrew não pode cometer suicídio, então suponhamos que ele queira expiar seus crimes matando outros vampiros em vez de se matar. O quadrinho vai e volta entre a missão de Andrew e sua conversa com Mary, terminando com Andrew percebendo que Mary leva muito a sério em sair da escuridão e assumir o controle.

Fialkov mostra Andrew vagando pelo que parece ser um deserto urbano, encontrando pilhas de corpos - infelizmente, não está claro se esses são vampiros que ele já matou ou vítimas dos vampiros. Ele percebe que foi levado a uma armadilha e, no final da edição, temos um vislumbre dos habitantes reais desta cidade, enquanto os vampiros atacam um vagão do metrô. Fialkov também tem Andrew e Mary envolvidos em um debate filosófico sobre os méritos de ser vampiros. Fialkov, no entanto, estabelece a premissa básica e estabelece o conflito de Andrew e Mary para o futuro próximo.

Essa é uma história em quadrinhos muito sombria, desenhado pela arte de Andrea Sorrentino e a arte de Sorrentino é boa e ruim. Ele faz coisas interessantes com o cenário junto com que Mailo faz nas cores, quando Andrew e Mary conversam (Maiolo pinta em azul frio) e quando Andrew está andando pela cidade (Maiolo pinta em um marrom sombrio). Sorrentino evoca um terreno baldio urbano sem nos sobrecarregar de imagens, o que é um bom truque. O problema é que as cenas finais, quando Andrew foge da horda de vampiros, perdem algum impacto, porque as sombras dominam o trabalho e Sorrentino escolhe mostrar tudo de uma visão ampla, o que diminui o horror que Andrew sente. 

O maior problema com a arte é que não fica claro em um momento em questão na edição que apresenta uma personagem feminina e você pensa que é a Mary, até a escrita de Fialkov mostrar que não era, a arte de fazer parecer que são iguais, me incomodou um pouco, pois fiquei imaginando quem era a mulher, porque sabia no meu estômago que não era Mary, pareciam que eram as mesmas devidos aos flashbacks, acho que isso seria o único ponto negativo na arte e nessa edição.

Os vampiros têm um caminho difícil de lidar hoje em dia por causa da lembrança do filme "Crepúsculo" e isso pode tornar o quadrinho um pouco mais difícil de lidar, mas esse pode ser uma série que estabelece bases sólidas e bases para eventos futuros. Estou cautelosamente otimista com isso, mas serão necessários algumas edições para ter certeza.

Esta não é uma simples história de vampiro. Há muito aqui para digerir. Você se apegará a todas as palavras do diálogo à medida que for levado pela história. Novos leitores podem vir, pois não há grandes laços com histórias passadas. Você não precisa se preocupar com o resto do Universo DC em acompanhar outros títulos. Essa edição fornece tudo que é necessário em primeiro momento. Há mais do que apenas alguns vampiros correndo por aí. Será interessante ver como isso vai ocorrer no resto do Universo DC.

Fialkov dá uma visão interessante de como isso se encaixa no Universo DC. Na verdade, é bastante inteligente e faz muito para que isso pareça certo para a nova continuidade. A ascensão dos super-heróis perturbou a ordem com que os vampiros estavam satisfeitos, e isso os leva a se esconder. Sua posição na cadeia alimentar está em risco. Eu realmente gosto de como esse conflito de vampiros foi inteligentemente colocado no contexto do Universo DC.

Por fim, este é um quadrinho de terror estrelado por vampiros, mas acontece no mundo dos super-heróis. Andrew e Mary reconhecem esse fato. Então, em algum momento, Fialkov terá que explicar por que super-heróis como o Lanterna Verde, Superman e outros não sabem sobre eles, ou porque não fizeram nada até agora. Se Fialkov ignorar, sempre estará lá esse detalhe, infelizmente, pois uma cidade inteira se transformou em vampiros e não qualquer cidade, mas sim Boston. Então teremos que esperar o que pode vir pela frente.

De qualquer forma, esta é uma sólida história de horror de Fialkov. Embora eu não ame a arte de Sorrentino, não é ruim e se encaixa bem na história. Estou torcendo por essa série promissora.
Se você está procurando algo um pouco diferente nos Novos 52, esta série vale a pena conferir.

E uma curiosidade à uma aparição especial da garota de Ponto de Ignição conhecida como Pandora, na página 11, no painel superior, perto de uma árvore, observando Andrew e Mary.

Se você gostou de nossa resenha ou têm uma ideia diferente sobre essa primeira edição, deixe nos comentários o que você achou.


CLASSIFICAÇÃO: 4/5 - ★ ★ ★ ★  ☆


15 Comentários

  1. É assim que o romance de vampiros deve ser sombrio e absolutamente sangrento! Totalmente recomendado!

    ResponderExcluir
  2. Eu não tinha me aprofundado nas histórias sombrias da DC e da Vertigo antes, mas se a maioria de suas histórias for como essa, vou ter que ler algumas, até então, vou ler felizmente eu, Vampiro.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da edição e lerei com expectativa a próxima para ver o que há mais nesses personagens e também para ver mais das obras de arte de Andrea Sorrention, que eu achei bastante agradáveis ​​aos olhos.

    ResponderExcluir
  4. Este quadrinho é um quadrinho de gênero, se as histórias de vampiros góticos não forem sua xícara de chá, evite-o. Eu amo histórias como essa, então eu realmente gostei. Joshua Hale Fialkov conquistou meu coração pela primeira vez ao escrever uma história de propriedade de um criador, Elk Run , quando ele realmente coloca a moral um no outro. Com sua experiência com Vampirella, os vampiros também não são estranhos para ele. O que é estabelecido nessa HQ é uma nova origem e uma história contemporânea do vampiro clássico versus o monstro dentro da história. Andrew Bennett serve como um Vampirella masculino, no qual ele próprio é um vampiro, mas ele também sabe que deve derrubar os monstros. Então esse quadrinho seria bom para os fãs de Vampirella.

    O estilo de arte me lembra a adaptação da Marvel de à Torre Negra de Stephen King, há um sentimento surreal de um mundo familiar que estranhamente ainda não é o nosso. A única preocupação que tenho é como a aparência de Super-heróis se mistura na história, com a falta de suporte à Vertigo, os fãs pararam de ler quadrinhos com Super-heróis quando se tratava de periódicos mensais e a DC sabe que uma história como essa não duraria muito com a Vertigo. Enquanto a Image agora possui o suporte independente. Eu gosto da narrativa do mundo real de Fialkov e espero que ele não me decepcione quando Superman começar a voar.

    ResponderExcluir
  5. Vamos ver aqui. Eu vejo uma capa com vampiros sexy vestindo pouca roupa e parecendo muito brilhantes. Estou preocupado. Vamos abrir e ... SANTO DEUS ISSO É INCRÍVEL. A obra de arte é ESCURA. ARREPIANTE. INSANO.
    Sim, o amor é realmente uma grande parte da história aqui. Mas como o título diz, é um amor corrompido. Corrompido e impuro. Temos um herói vampiro bastante comum que quer ajudar a humanidade, mas ele está emocionalmente dividido entre sua natureza compassiva e seu poderoso amor por alguém que está rapidamente se tornando seu oposto polar. E eles mantêm um relacionamento estranho que realmente me intriga. Acrescente o fato de que ele se sente culpado por ser o pai dela, e você tem uma série com forte foco no romance que não é um livro de romance adolescente angustiado ou um livro de romance de garotas. Esses vampiros são monstros na pele humana aristocrática. Meu tipo favorito absoluto. Sou uma enorme fã de vampiros, então fiquei nervosa quando vi a capa de Crepúsculo. Sou fã dos vampiros Bram Stoker, Castlevania, Hellsing e Anjos da Noite. A classe dominante das criaturas da noite. Isto é exatamente o que eu tenho. Quando Andrew é atacado por um vampiro que se transforma em lobo, ele responde transformando-se em uma besta absolutamente demoníaca. Ele é um vampiro de alta classe com uma forma bestial para refletir isso. Os vampiros são os deuses dos monstros. Imensamente poderoso, mas usando o disfarce de beleza e pureza pálidas. Esta série tem o verdadeiro tipo de vampiro.
    A ação é incrível. Romance e ação são bem equilibrados

    O ruim é que essa é uma capa terrível. Quero dizer, ok, não é uma capa 'ruim' por si só, mas NÃO representa este livro muito bem. As pessoas que olham nesta capa verão o que parece ser algo pulando a bordo do trem Crepúsculo / True Blood. Ao ler a edição, ISTO NÃO É MAIS CERTO.
    A edição meio que salta no tempo e torna as coisas um pouco confusas.

    Em conclusão EU SOU TENDENCIOSA. Eu vou dizer isso logo de cara. EU AMO VAMPIROS. Não vampiros cintilantes de merda. Eu dei margem de manobra, o "Circo dos Horrores - O Aprendiz de Vampiro" tinha alguns vampiros radicalmente diferentes, mas eles ainda mantinham o arquétipo adequado. Esta série tem quase todos os aspectos do vampiro que eu gosto. A obra de arte é loucamente sombria, e raramente encontro uma série tão fortemente definida pelo romance que não parece uma série de 'romance'. Eu amo tudo sobre isso, exceto a capa. Se você gosta de vampiros, LEIA ISSO SEM HESITAÇÃO. Se você odeia vampiros por causa de Crepúsculo, dê a essa chance de mostrar que nem todos os vampiros são tão estúpidos quanto isso. Veja os trabalhos de arte desta edição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo vampiros monstros também! =)

      Eu acho que é útil para os verdadeiros fãs de horror de monstros que você aponta, este não é uma HQ de vampiros bastante brilhante para adolescentes.

      Bom trabalho na revisão.

      Excluir
    2. Concordo plenamente com esta revisão. É bom ver outras pessoas que gostaram tanto quanto eu.

      Excluir
    3. O estilo artístico é muito semelhante ao da Torre Negra, então, se você gostava de algo, essa série pode ser uma que você queira conferir.

      Excluir
  6. Não me importo com vampiros. Eles parecem uma criatura mística fácil de escrever. Sem problemas excepcionais - eles mordem, sugam, atacam e são sexy. Francamente, porém, não acho o apelo sexual. Não vejo como viver para sempre possa ser algo que alguém desejaria, especialmente à custa de outras pessoas.

    E, para ser brutalmente honesto, esse quadrinho não mudou minha opinião sobre os vampiros.

    Agora, vamos dar um passo atrás...

    Eu, Vampiro, é provavelmente um dos empreendimentos mais arriscados para a DC durante o relançamento dos Novos 52. Claro, ainda estamos à beira da mania de Crepúsculo, mas não há absolutamente nenhum personagem reconhecível para se apoiar. Claro, a escrita faz referência a alguns dos super-heróis, mas parece bastante forçada.

    É uma ideia legal (apesar de ter sido exagerada): diferentes facções de vampiros com diferentes ideologias em seu papel no mundo. Obviamente, nosso protagonista (não tenho certeza se ele ainda tem um nome (Andrew?)) Está do lado oposto da coabitação, enquanto sua ex-amante está do lado de "MATE OS HUMANOS E ORDENE O MUNDO". Eu gosto de como tem essa luta clandestina por baixo do nariz dos super-heróis. Mas colocar vampiros em um mundo de super-heróis é um pouco demais. Felizmente, eles são mais um vampiro tradicional que pode mudar para todos os tipos de formas.

    Isso nos leva à escrita de Joshua Fialkov. Isso é maravilhoso. Há uma conversa que ocorre ao longo da edição, mas não sei dizer de qual conversa ela está, pois há flashbacks de pelo menos três outras conversas (possivelmente a mesma, mas é tão difícil dizer mesmo com o sombreamento das cores). Muito menos, a conversa é o típico "Eu te amo, mas o que você está fazendo" "Temos que retomar o controle" "Mas não podemos simplesmente ficar por aí sendo legais" "Não, só podemos ser legais se somos super sexy e dominar o mundo, uma mordida de cada vez "" Bem, eu não vou deixar isso acontecer "" Pena, estou acumulando um exército "" Bem ... bem "" Não se preocupe, você está sexy quando você faz beicinho ”* BEIJO * ... Na verdade, acho que escrevi melhor a conversa ali.

    Agora, o que você deve comprar nesta edição é a arte. Andrea Sorrentino nos lápis e Marcelo Maiolo nas cores formam uma equipe fantástica. Além disso, acho que esse quadrinho é o único com uma mulher a lápis para os Novos 52. Então, mostre seu apoio. Mas, realmente, é fantástico. Fantástico, não da maneira como significa "ótimo", mas da maneira que ela constrói algumas imagens realmente incríveis, gritantes e imaginárias. Este mundo é sombrio, com tons neutros. Ela pode lidar com os vampiros como seres humanos e, em seguida, como bestas igualmente bem e há esse senso de detalhe frenético. Como um bônus, quase todo mundo tem sua camisa.

    Então, no geral, o quadrinho recebe 2,5 estrelas em vez de apenas 1 por causa da arte fantástica que exerce dupla função. Eu sinto que a próxima edição poderia melhorar sem o meu humor contra o mundo criado.

    ResponderExcluir
  7. Não tenho certeza se a revisão desta edição será particularmente justa. Não gosto do gênero de ficção de vampiros, mas também não consigo entrar nele. Dito isto, depois de ler isso, não consigo encontrar muita coisa para entrar. A história é decente o suficiente, envolve um vampiro que caça outros vampiros porque ele acredita que eles não devem abusar de seus poderes e matar humanos. No entanto, ele é muito bom nisso e o faz há algum tempo. Seu arqui-inimigo é sua ex-amante Mary, que há muito tempo decidiu ceder a seus impulsos. A coisa toda seria boa o suficiente, exceto que eu não gosto de amarrá-lo na continuidade principal da DC, ou se ela quisesse diminuir um pouco a escala. Eles fazem menção a super-heróis duas vezes, mas nada acontece quando há massacres enormes. Esse aspecto me pareceu um pouco fraco, e teria sido melhor sem ele e permanecendo fiel à história, ou incorporando-a mais e ligeiramente modificando a história. Como está no final desta primeira edição, fiquei com a sensação de uma história acontecendo em um mundo que não existe, nem pra própria história.

    ResponderExcluir
  8. Os estilos de Flalkov e Sorrentino têm uma simbiose incrível que se encaixa tão bem que eu estive completamente na história a partir da página 2. A série parece algum tipo de cenário de sonho em que colocamos nossos quadrinhos de terror e nossos super-heróis entre a mesma capa. Esta é uma história madura e incrível que, para mim, está com outras grandes quadrinhos dos novos 52. Só posso esperar que, com todas as boas críticas que esse quadrinho esteja recebendo; que mais pessoas se arriscarem a ler.

    Esse é o tipo de grandeza que um reboot como esse pode gerar se feito corretamente. Bem, não existe nada melhor do que isso. Eu realmente queria encontrar algo ainda marginalmente negativo a dizer sobre isso e tudo o que pude encontrar é: gostaria que fosse mais ... Muito mais ...

    ResponderExcluir
  9. Eu, Vampiro, provou ser o hit dorminhoco, apresentando uma visão sombria e arrepiante sobre a área relativamente inexplorada de vampiros no Universo DC. Andrew Bennett retorna como o vampiro de séculos entre o seu povo e a destruição da humanidade.

    Isso facilmente teve que ser o mais difamado dos NOvos 52 quando os anúncios foram lançados, e não posso dizer que tudo era totalmente infundado. Você pode realmente culpar alguém por ter reagido mal a esta capa e ao material promocional, que apontavam para a versão da DC de Crepúsculo / True Blood / Diário de Vampiros? Não estou dizendo que há algo automaticamente errado em tentar lucrar com uma tendência. Honestamente, você é incompetente se não o faz. No início, Eu, Vampiro não fazia parecer que daria sua própria qualidade sobre ele.

    No entanto, ele faz. Joshua Fialkov e Andrea Sorrentino não estão simplesmente replicando um dos dramas populares de vampiros aqui. E é um romance trágico envolvendo vampiros, mas está fazendo suas próprias coisas a partir daí. O estilo da arte aqui não é bonito e excessivamente sexualizado. É sombrio de uma maneira que é mais apropriada para uma história de horror do que as expectativas para essa HQ. O romance também não atrapalha e apela aos instintos luxuriantes que a capa implica.

    Andrew Bennett é seu típico protagonista de vampiros. Ele é o vampiro padrão do tipo humanidade que quer defender os humanos de sua própria espécie. O problema para ele é que sua amante, a aparente líder de um exército de vampiros, sente o contrário. Isso ajuda a diferenciar um pouco Bennett do pacote de seu arquétipo, porque abre a questão de saber se ele quer salvar a humanidade dos vampiros ou sua amante de um caminho que ele acha que a matará. E se ele está tentando fazer as duas coisas, isso ainda deixa em aberto a questão da qual ele se preocupa em fazer mais.

    Ler esta história fica confuso. Não é dito de maneira linear, alternando entre dois períodos que não são esclarecidos imediatamente. Isso não é realmente uma coisa ruim, no entanto. No final da edição, as duas cenas estão conectadas de uma maneira muito clara. Na verdade, é uma narrativa muito bem-feita. Os leitores precisam apenas ser pacientes e seguir até o final.

    Bennett não é um personagem da DC com quem estou particularmente familiarizado. Uma breve participação em "Reign in Hell" (Reino do Inferno) é provavelmente a única vez em que fui exposto ao personagem. Felizmente, Fialkov não espera que os leitores saibam nada sobre isso. Ainda há muito a ser explicado sobre Bennett no final da edição, mas sinto que me disseram o suficiente sobre ele para entender o essencial. Da mesma forma, sinto que também tenho a ideia de como os vampiros funcionam na continuidade da DC. Portanto, isso é bastante amigável para novos leitores.

    Eu, Vampiro, é um bom equilíbrio entre romance e horror que realmente não deve ser descartado como uma restauração da tendência dos vampiros que dominaram o cinema e a televisão recentemente. É algo próprio e não um daqueles dramas transplantados no Universo DC. Ainda não agradará a todos, mas agradará a mais pessoas do que você pensaria inicialmente. Esta é uma história em quadrinhos de terror bem feita e vale a pena dar uma chance.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma coisa que me impressionou neste quadrinho foi a arte (que eu gostei em geral). Os rostos careciam de detalhes definidores que tornariam quem está fazendo o quê, quando mais fácil de seguir. E este quadrinho foi muito melhor do que eu esperava, mas não me impressionou. Quando terminei, senti como se não tivesse visto nada de novo ou interessante. Isso me lembrou o mangá Vampire Knight, ambientado no UDC. Para aqueles que ainda não estão familiarizados com a ficção de vampiros, eu posso ver isso sendo um grande sucesso.

      Excluir
  10. É um vampiro adolescente angustiado, com motivos e ideais irracionais... e todos os personagens devem ter 400 anos. Embora esse lixo não esteja completo, recomendo que seja transmitido. Não é adequado para ninguém, exceto talvez para adolescentes emo que não têm ideia, mas mesmo assim eu não recomendaria que as crianças o tivessem devido ao sangue... e alguns podem não querer que as crianças o tenham devido o semi nudez.

    A HQ é mais ou menos uma discussão entre o futuro antagonista e protagonista da série. Os motivos por trás da antagonista não fazem sentido e a ideia de que ela vai liderar algum tipo de revolução é boba. Ela também parece estar em conflito sobre como se sente sobre os seres humanos na metade do tempo em que fala sobre igualdade e a outra metade em sobre dominação. Onde, como protagonista, quando perguntada o que ele gostaria que ela fizesse, ela não responde, e diz que ela é má e blá blá blá...

    Parece-me que o autor foi informado de que os vampiros adolescentes eram populares, então faça algo com isso e o outro fez o que foi dito sem uma orientação clara para os personagens. Se o autor o trabalhasse de um ângulo de qualidade, seria interessante ver porque os vampiros têm um rap ruim, mas existem muitos outros meta-humanos por aí e demônios por todo o lugar. Por que eles deveriam se esconder e ser caçados... Sim, uma história em que os vampiros se tornam mocinhos contra os caçadores de vampiros... isso seria uma boa HQ... Isso é apenas uma pandemia para um público que é improvável que leia quadrinhos de algum tipo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem