Filme Animado Outro Dia da Vida
CRÉDITO: CORTESIA DE NEXT FILM
Os filmes de animação europeus continuam a abordar assuntos pesados ​​com diversos trabalhos voltados para públicos mais velhos e mais maduros.

Vários títulos célebres no ano passado impressionaram ao abordar assuntos históricos, políticos e culturais de maneiras originais, entre eles Raúl de la Fuente e o vencedor do Prêmio do Cinema Europeu (European Film Award) de Damian Nenow, “Another Day of Life”, acima, “Funan”, de Denis Do, que conquistou o prêmio máximo em Annecy, e "A Ganha-Pão", de Nora Twomey, que ganhou uma infinidade de prêmios em todo o mundo.

Este ano, a tendência continua com projetos novos e futuros que exploram assuntos variados, de temas preocupantes como a situação dos refugiados, racismo e guerra a tarifas mais leves, como cinema surrealista e romance peculiar.

O diretor norueguês Mats Grorud aborda o tópico politicamente carregado de refugiados palestinos em "Wardi (The Tower)". O filme segue uma menina de 11 anos que vive com sua família em um campo de refugiados de Beirute que tenta manter viva a esperança de seu bisavô de voltar um dia para sua casa perdida na Galiléia. O filme, vendido pela Jour2Fête, é baseado nos depoimentos de refugiados palestinos e combina animação 2D e fantoches.

"Queríamos fazer um filme sobre a passagem do tempo - o passado, o presente e o futuro - para mostrar como as crianças nascem neste campo sem direitos, como refugiados", diz Grorud. "Essas pessoas sofreram tremendamente."

A diretora francesa Florence Miailhe também examina o tema das pessoas deslocadas em “The Crossing”. Atualmente em produção pela francesa Les Films de l'Arlequin, pela Balance Film da Alemanha e pela Maur Film da República Tcheca, o filme segue duas crianças de uma vila saqueada que foge de perseguidores enquanto atravessam um continente hostil em busca de refúgio.

Examinando tendências preocupantes na Alemanha, Mohammad Farokhmanesh e Frank Geiger contam a história de crianças nascidas em famílias de extrema-direita em "Little Germans", um documentário da Brave New Work, de Hamburgo, que desenrolou na seção Lola at Berlinale do mercado europeu de cinema.

O legado nazista da Alemanha é revisitado na recontagem de Ari Folman da história de Anne Frank. Uma coprodução europeu-israelense vendida internacionalmente pela Wild Bunch, “Where Is Anne Frank?” Segue Kitty, a amiga imaginária que Anne Frank escreveu em seu diário, quando ela magicamente ganha vida na casa de Anne Frank na atual Amsterdã. , acreditando que Anne deve estar viva e determinada a encontrá-la.

Simone Massi oferece outra história sobre crescer diante do fascismo, da guerra, da resistência e da emigração com o "Tre Infanzie", atualmente sendo desenvolvido pela Offshore, com sede em Paris, e pela mídia de fax mínima de Roma. A história narra a vida de três crianças em momentos diferentes durante o século 20 na mesma fazenda em uma vila na região italiana de Marche.

Afastando-se de temas mais sombrios e abraçando o fantástico e o surreal, estão obras de Salvador Simó e Jérémy Clapin.

Em "Buñuel en el Laberinto de las Tortugas", Simó narra os esforços do cineasta espanhol Luis Buñuel para fazer seu documentário surrealista de 1933 "Las Hurdes (Terra sem Pão)". O longa-metragem desenhado à mão, vendido internacionalmente pela Latido Films, com sede em Madri, é baseado no romance gráfico de Fermín Solís com o mesmo nome.

A adaptação do romance “Happy Hand” de Guillaume Laurant, o absurdamente fantástico “Perdi Meu Corpo” de Clapin, de Xilam, com sede em Paris, segue uma mão decepada quando ele foge de um centro médico em busca de seu corpo, o de um jovem imigrante marroquino problemático em França.

Oferecendo uma fatia mais leve da vida moderna estão as “Memorias de un Hombre en Pijama”, de Carlos Fernández, da Latido Film. O filme gira em torno de um homem de 40 anos, cujo sonho de trabalhar em casa de pijama como artista de quadrinhos é interrompido quando se apaixona por uma garota.

Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem