Sinopse:
As vidas de dois assassinos da máfia, um boxeador, uma esposa de um gângster e um par de bandidos de lanchonetes se entrelaçam em quatro histórias de violência e redenção.
Crítica:

Tarantino é sem dúvida um dos melhores diretores de todos os tempos e talvez o melhor dos anos 90. Foi indicado pra tantos Oscars que ainda acho difícil acreditar que só tenha dois em sua carreira com várias nomeações, tirando é claro o tanto de outras premiações que ganhou.

"Pulp Fiction: Tempo de Violência" é um daqueles filmes que nem todos irão apreciar. Muitas pessoas vão dizer que é chato ou sem sentido. É verdade que o enredo não é algo especial, mas não é o enredo que torna este filme único, mas os diálogos e personagens incríveis junto com a excelente direção.

Provavelmente uma das melhores coisas deste filme são os diálogos. Os diálogos, como em todos os outros filmes de Tarantino, não estão diretamente conectados ao enredo. Tome o primeira cena de "Pulp Fiction", no diálogo entre Julie (Samuel Jackson) e Vincent (John Travolta). Eles estão falando sobre como um determinado hambúrguer "Big Mac" é chamado na França. Este e muitos outros diálogos não têm uma relação direta com a trama, mas sua função é de alguma forma construir as personalidades dos personagens.

O diálogo entre eles é  divertido, e também desarmante, porque faz com que esses dois bandidos pareçam normais demais. Se você não soubesse sobre o filme, você poderia assumir que esses dois caras são pessoas normais conversando sobre seu caminho para o trabalho. Além da recompensa cômica no final da cena, em que eles usam partes dessa conversa para insultar suas vítimas, claro que a conversa deles não tem relevância muito alta para o filme, porém, sem tais cenas, "Pulp Fiction" não seria "Pulp Fiction".

Tenho a impressão de que Tarantino colocou no filme o que quer que lhe agradasse e, de alguma forma, o produto final não é apenas coerente, mas maravilhosamente texturizado.

Não é de admirar que os fãs passem tanto tempo debatendo o que estava na mala, tentando ver muito mais na história do que Tarantino provavelmente pretendia. O filme é tão intrincadamente estruturado, com tantos detalhes surpreendentes, muitos dos quais você não vai pegar na primeira vez que assistir, que parece clamar por alguma explicação mais profunda. Mas não há explicação mais profunda. "Pulp Fiction", como o título indica, é puramente um exercício de técnica e estilo, ainda que brilhante e em camadas, contendo numerosas referências a outros filmes, é como uma grande obra de arte abstrata, ou "arte sobre arte". Tem todas as características que associamos a ótimos filmes: boa escrita, atuação de primeira classe, personagens inesquecíveis e uma das narrativas mais bem construídas em um filme. Mas para que fim? A história independente não parece ter relação com nada além de si mesma.

O filme se torna um pouco mais fácil de entender, uma vez que você percebe que é essencialmente uma comédia de humor negro vestida como um drama criminal. Cada um dos três tópicos da história principal começa com uma situação que poderia facilmente formar a subtrama de qualquer filme padrão de gangsters. Mas algo sempre dá errado, um pequeno acidente inesperado que faz com que toda a situação desmorone, levando os personagens cada vez mais desesperados a medidas absurdas. A originalidade de Tarantino deriva de sua capacidade de se concentrar em pequenos detalhes e segui-los onde eles vão, mesmo que se afaste um pouca da história desenvolvida no enredo principal.

A outra coisa que torna esse filme tão único é a mudança inesperada de eventos. Como em todos os outros filmes de Tarantino, você não sabe quem eles vão matar a seguir ou o que vai acontecer. A cena em que Vincent atira na cara de Marvin é um ótimo exemplo para essa mudança inesperada de eventos. Isso deixa o espectador mais intrigado e, assim, melhora toda a experiência do filme.

Talvez nenhum roteiro tenha encontrado um melhor uso para digressões. De fato, todo o filme parece consistir em digressões. Nenhum personagem fala nada de maneira simples e direta. Jules poderia simplesmente ter dito a Yolanda: "Seja legal e ninguém vai se machucar", que é exatamente o tipo de linha que você encontraria em um filme de ação genérico e comum. Em vez disso, ele se diverte sobre como é Fonzie da série dos anos 80. Tarantino saboreia cada palavra de seus personagens, encontrando uma potencial piada em cada afirmação e infundindo o diálogo com referências inteligentes da cultura pop. Mas as linhas não são apenas espirituosas; eles estão cheios de observações inteligentes sobre o comportamento humano. Pense na declaração de Mia para Vincent: "É quando você sabe que encontrou alguém especial."

Qual é o propósito do filme exatamente? Não tenho certeza, mas lida muito com o tema do poder. Marsellus é o tipo de personagem que paira sobre o filme inteiro enquanto é invisível a maior parte do tempo. O ponto principal da grande sequência de datas, que é a minha seção favorita do filme, é o poder que Marsellus tem sobre seus homens, mesmo sem estar presente. Esse poder é o que faz com que Vincent aja de maneiras que você normalmente não esperaria de um gângster idiota e bêbado diante de uma mulher atraente cujo marido foi embora. O tema do poder também ajuda a explicar um dos aspectos mais controversos do filme, seu uso liberal da palavra-N. Neste filme, a palavra não é usada apenas como um epíteto para descrever os negros: Jules, por exemplo, em um ponto aplica o termo a Vincent. Tem mais a ver com poder do que outra coisa. Os poderosos personagens proferem a palavra para expressar seu domínio sobre os personagens mais fracos. A maioria desses gangsters não são racista na prática. De fato, eles se misturam racialmente e alcançaram um nível de igualdade que supera os hábitos de muitos cidadãos cumpridores da lei naquela sociedade. Eles recorrem a epítetos raciais porque é um padrão que estabelece no filme a sua separação do mundo não-criminal.

Há uma boa progressão moral para as histórias. Nós presumimos que Vincent hesita em dormir com Mia por medo e não por lealdade. Mais tarde, o ato de heroísmo de Butch poderia ser motivado pela honra, mas nunca teremos certeza disso. O filme termina, no entanto, com Jules fazendo uma clara escolha moral. Assim, o filme parece estar explorando se bandidos violentos podem agir de forma diferente da autopreservação.

Ainda assim, é difícil encontrar um significado maior para unir essas histórias excêntricas. Nenhuma das histórias é realmente "sobre" qualquer coisa. Eles certamente não são sobre os homens de sucesso pontificando sobre hambúrgueres. Nem o filme é realmente uma sátira ou uma farsa sobre algo, embora contenha elementos de ambos. Às vezes, parece um conto que não precisa ser contado, mas, por qualquer motivo, esse filme conta e faz um trabalho melhor do que a maioria dos filmes do gênero, ou de qualquer outro tipo.

Em suma, quando as pessoas dizem que este é provavelmente o melhor filme dos anos 90, é fácil perceber porquê dizem isso. Fundamentalmente um filme verdadeiramente notável, é imperdível para qualquer um que se considere um aficionado e cinéfilo por filmes.

Classificação Final: 4/5  ⭐⭐⭐⭐

Assista o Trailer abaixo:



Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem