Header Ads

Últimas Noticias

CRÍTICA: Marshall: Igualdade e Justiça (2017) | Um Drama Espetacular à Moda Antiga


Sinopse:
A história de Thurgood Marshall, o advogado de cruzada que se tornaria o primeiro juiz da Suprema Corte afro-americana, enquanto ele luta em um de seus casos que definem sua carreira: defender Josepho Spell (Sterling K. Brown), um homem negro que está sendo acusado de atacar uma socialite branca em seu quarto, mas que jura não ser o culpado do crime.
Crítica:

Marshall é um ótimo filme que oferece um drama espetacular à moda antiga. Uma grande história com uma ótima atuação com um elenco genial. 

Particularmente uma atuação que se destacou para mim foi a de Josh Gad como Sam Friedman, um ator que já interpretou tantos papéis tolos e ver ele neste papel foi bem agradável, em papel mais sério. Fazendo com que a parceria e amizade de Marshall e a de, Sam Friedman, que nunca havia julgado um caso criminal e pensado que ele apenas se sentaria ao lado de Marshall durante o julgamento e não faria nada, onde o juiz obriga Friedman a conduzir o julgamento com Marshall servindo como seu conselheiro, isso foi uma grande surpresa e ao mesmo tempo é muito extasiante saber que é baseado em uma história real.

O ator Chadwick Boseman que interpretou Marshall estava ótimo, eu também gostaria de dar um destaque para a maneira como o filme retratou o juiz residente (James Cromwell) deste caso, porque ele era um personagem muito significativo e suas transições no filme realmente deram ao filme um momento de clímax que realmente ressoou em mim.

As cenas no tribunal são intensas e mantêm você interessado na ação. Conforme o caso se desenvolve, essas cenas se tornam mais e mais atraentes.

Este filme foi um introdutório que desperta interesse em quem foi Thurgood Marshall, e qual foram as suas contribuições para os direitos civis e quais obstáculos que ele e qualquer afro-americanos enfrentava durante este período da história dos Estados Unidos.

Eu recomendaria este filme para pessoas que são muito conhecedoras de Marshall, ou talvez não totalmente conscientes das ramificações do trabalho de sua vida. Talvez o público-alvo desse filme fosse apresentar algo para os jovens desse milênio algo que eles pudessem apreciar plenamente a jornada e o progresso dos direitos civis de como foi nos Estados Unidos para os afro-americanos. 

E achei um dos pontos chaves que este filme impactante é como ele se desloca na questão racial tanto para o Marchall como para quem ele representa que é um homem negro sendo acusado de estupro de uma mulher branca, e tudo que se desenrola e suas ramificações, que mesmo não sendo um filme de ação ele te prende a uma maneira que as vezes na cenas do tribunal você fica eufórico e tenso ao mesmo tempo. E que passa muito bem a questão sobre igualdade para todos perante a lei.

Eu gostei muito deste filme, o que na minha opinião 2017 foi realmente um bom ano para o cinema, apresentando várias enredos extremamente cativantes, que torna para mim um ótimo retorno a um gênero que muitas vezes não é bem feito na indústria de hoje. Eu recomendaria Marshall para qualquer uma pessoa.

Classificação Final: 4/5




Assista o Trailer abaixo:



Nenhum comentário