Header Ads

Últimas Noticias

Crítica: ANIQUILAÇÃO (2018) - Um Filme Ambicioso e Grandioso mas que Decepciona



O novo filme de terror de ficção científica do escritor / diretor Alex Garland (que também desempenhou um bom trabalho em “EX MACHINA’ de 2014). A trama do filme se trata de uma bióloga que se oferece para liderar uma expedição em uma zona ambiental perigosa, depois que o marido sai da zona gravemente ferido e é o único sobrevivente de sua expedição. É baseado no romance, de mesmo nome, de Jeff VanderMeer.

O filme é estrelado por Natalie Portman (uma bióloga), Jennifer Leigh (uma psicóloga), Tessa Thomspon (uma física), Tuva Novotny (uma antropóloga) e Gina Rodriguez (uma paramédica) que embarcam numa expedição ao “Brilho”, uma misteriosa zona de quarentena.

Um ano se passou desde que uma equipe de soldados entrou em uma zona de desastre ambiental e nunca mais voltou. Um soldado, chamado Kane (Isaac), repentinamente reaparece, para o alívio desesperado de sua esposa bióloga Lena (Portman), mas ele não se lembra de onde esteve ou como chegou em casa. Então ele tem uma emergência médica repentina e é levado às pressas para um hospital militar. Em uma tentativa de ajudá-lo, Lena decide se juntar a uma equipe que todas as cientistas são do sexo feminino, em uma expedição de volta para a zona ambiental. As coisas, claro, não saem como planejado.

O filme é muito assustadoramente bonito, e é especialmente destacado por uma trilha incrivelmente assombrosa e alguns visuais de tirar o fôlego. A história é interessante, mas é definitivamente lenta, e o clímax é muito mais uma recompensa intelectual do que uma cena de ação espetacular (que muitos espectadores poderiam estar esperando).

Não é o filme padrão de ficção científica, Aniquilação tem um início lento, mas era promissor. É cheio de excelentes intérpretes que dão o calibre de desempenho que você espera deles – Portman se destaca, mas o resto do grupo feminino se segura enquanto enfrenta seus demônios pessoais e também enfrenta um alienígena estranho e aparentemente hostil. A Rodriguez é provavelmente a mais surpreendente, do cabelo dela à atitude dela, ela está a 100 milhas de Jane Villanueva da série Jane a Virgem, papel pelo qual ela é mais conhecida.

Visualmente é impressionante, ainda que não seja bem parecido com a Pandora de Avatar, ele apresenta o mesmo tipo de flora e fauna coloridas. A partitura é convincente e combina com o filme. Mas, no final das contas, ele se perde em coisas alienígenas complicadas e alienígenas verdadeiramente bizarros.

Há muitos buracos na trama para fazer um filme satisfatório. Se você está procurando respostas, ficará muito desapontado com as poucas ou nenhumas que você recebe durante o filme. A “ciência” é de má qualidade na melhor das hipóteses. Apenas algumas breves linhas de diálogo são oferecidas para explicar as mutações do “Brilho” e elas são insatisfatórias e incompletas. Ele não aparece como o tipo de filme que você seria capaz de entender se você fosse apenas um pouco mais inteligente, ou um pouco mais bem estudioso sobre o assunto, em vez disso, parece que as questões que ele tem são amplamente narrativas. O roteiro intencionalmente não fornece informações suficientes e, em vez de nos sentirmos sobrecarregados com muita ciência e explicação, ficamos distraídos com a falta dele.

Quando o filme acaba ele fica muito estranho e você sente que foi muito rápido. E não havia nada de bom nisso para compensar isso.

Eu não posso concordar com aqueles que estão elogiando isso como o melhor filme de ficção científica ou que é o mais inteligente. Para cada assunto intelectualmente estimulante que é tocado no filme é rapidamente ofuscado por algumas decisões e ações tolas que não dignos de uma equipe de cientistas.

CLASSIFICAÇÃO FINAL: 3/5

Nenhum comentário