Header Ads

Últimas Noticias

Quando DC e Marvel Eram "EXTREMOS"

A Reforma Extreme nos Quadrinhos
Ah, a década de 1990, já houve algum tempo como nos quadrinhos? Entre o surto de especulação que viu as pessoas pegarem revistas em quadrinhos pela briga, e a onda de clichês como membros cibernéticos e dentes cerrados que ultrapassaram quase todos os personagens, os anos 90 foram um definitivo - se nem sempre carinhosamente lembrado - para histórias em quadrinhos.

Esta semana, Rob Liefeld, um dos artistas quintessenciais de quadrinhos dos anos 90, compartilhou designs para um novo personagem dos X-Men estreando em seu próximo título Deadpool: Badder Blood - com laços (e inspiração) direto dos trabalhos dos anos 90 de Liefeld.

Então, entrando no espírito das coisas (e nos fazendo sentir velhos no processo) nós cavamos de volta nos arquivos para recordar as tendências mais extremas dos anos 90 - que, vamos admitir, ainda são muito divertidas.

10. MULHER-MARAVILHA
Houve algumas vezes na carreira da Mulher Maravilha que Diana de Themyscira desistiu do manto da Mulher Maravilha, e nenhuma delas jamais foi o que você chamaria de "boa".

Nos anos 90, Diana perdeu o título e, posteriormente, o traje que o acompanhava, para sua irmã amazônica Ártemis. Diana decidiu continuar lutando contra o crime sob seu nome real e, por algum motivo, achou que a melhor maneira de se levantar para o trabalho seria uma jaqueta de couro extrema e um par de shorts de bicicleta.

O motivo foi repetido algumas vezes desde então, e nunca é preso nisso, provavelmente porque ela se parece mais com uma mãe de motociclista do filme B do que uma princesa guerreira.


09. VINGANÇA
O que é mais extremo do que o Motoqueiro Fantasma, um esqueleto em chamas em uma motocicleta?

Que tal um esqueleto flamejante feito de espetos e correntes em uma motocicleta flamejante também feita de espinhos e correntes?

Vingança, um personagem não explicitamente, mas quase certamente inspirado pelo sucesso de Spawn, de Todd McFarlane.

A origem da Vingança é tão complicada que é um pouco infrutífero entrar aqui, mas uma olhada no cara deve realmente dizer tudo o que você precisa saber sobre suas raízes extremas.

08. JUSTIÇA EXTREMA
Você poderia dizer pelo título que Justiça Extrema era muito radical? Quero dizer, está bem ali na cor viva.

Honestamente, não há muita coisa que seja realmente "extrema" em relação à Justiça Extrema, exceto pelos invulgares apelos que o título proporcionou à sua lista, incluindo um Gladiador Dourado blindado e versões extremas dos Supergêmeos.

Conseguir transformar os piores personagens de um desenho animado cheio de personagens notoriamente ruins em paródias ainda piores e extremas de si mesmos é uma espécie de realização, se você pensar a respeito.


07. HERÓIS BLINDADOS DA MARVEL
Nos anos 90, muitos personagens comuns encontravam-se em situações em que suas fantasias regulares não eram boas o suficiente, e eles tinham que colocar algum tipo de armadura para compensar.

Enquanto a DC fez isso algumas vezes (veja nossa próxima entrada para um exemplo), a Marvel é o rei indiscutível de furar um personagem que não tinha nenhum negócio vestindo armadura em um exoesqueleto especial, geralmente acompanhado por uma capa de edição especial, e, esperançosamente, um pico de vendas.

Capitão América, Demolidor e Homem-Aranha receberam o tratamento de armadura, mas o de Cap foi provavelmente o pior. Sejamos honestos, a armadura do Demolidor parecia legal, e pistas disso podem ser vistas em seu visual para o programa de TV Netflix, enquanto o Homem-Aranha foi o mais curto do grupo.

Mas a armadura do Cap não é apenas feia, suas origens também são idiotas, devido a uma doença induzida pelo soro do Super-Soldado que paralisou Cap.


06. GUY GARDNER: WARRIOR
Uma coisa que aconteceu nos anos 90 é que muitos personagens pararam de ser frios o suficiente em sua forma original, necessitando de uma transformação extrema do mais alto grau.

Tome Guy Gardner, por exemplo. Nos anos 80, um cara impetuoso e de cabeça quente, com um anel de poder, se fortalecia com sua personalidade. Mas quando as coisas começaram a ficar extremas, sua atitude não era mais suficiente, especialmente com o seu homólogo mais equilibrado, Hal Jordan, se tornando mal e se tornando Parallax.

Então a DC decidiu deixar Gardner com novos poderes e uma nova origem, renomeando seu título de "Guy Gardner: Warrior", e tirando seu anel de poder em favor de um exoesqueleto blindado construído pelo Besouro Azul. Mais tarde, depois de beber "Água Guerreira", o DNA alienígena latente, até então desconhecido, de Guy entrou em ação, concedendo-lhe poderes de mudança de forma que lhe permitiram manifestar armas de seus braços.

Nós vamos repetir isso - Ele Teve ARMAS NOS BRAÇOS!

Felizmente, a coisa toda foi abandonada em Lanterna Verde: Renascimento.

05. ADAM X
Não há muito a dizer sobre Adam X que não possa ser entendido apenas olhando para ele.

Na verdade, isso não é verdade. Adam X vai além do chamado dos anos 90, chamando-se X-Treme. Em uma época em que colocar um "X" em praticamente qualquer coisa transformou-o em uma máquina de dinheiro de ouro sólido, Adam X levou as coisas um passo longe demais.

Com poderes que se assemelham a um sonho febril de oito anos - seu sangue é ácido e pode pegar fogo - e um olhar que faz com que Cable pareça sutil, quando se trata de clichês dos anos 90, Adam X não apenas encontra o horizonte, ele é o horizonte.

04. BLOODWYING
O Caçador de Marte sempre foi o mais digno da Liga da Justiça da DC.

Apesar do seu codinome excêntrico e suas origens de ficção científica dos anos 50, sempre houve algo subestimado e refinado sobre a tristeza e a alienação em seu personagem.

Bem ... nem sempre.

No início dos anos 90, quando as coisas estavam começando a ficar "extremas" na Marvel, DC decidiu que o velho Caçador de Marte não estava bom o suficiente e decidiu reformá-lo como "Bloodwynd", um tipo de feiticeiro que extrai o seu poder de uma joia criada por seus ancestrais.

O que é ainda pior do que o pobre, distinto J'Onn J'Onzz personificando Bloodwynd é que, em algum lugar lá fora, houve um verdadeiro Bloodwynd que realmente continuou a aparecer em outros quadrinhos. 

Agora Bloodwynd realmente não sintetizava a estética "extrema", mas ele conseguiu um "y" em seu nome, caso contrário deveria ter havido um "i", que era um aceno menos conhecido para a época.

03. AZRAEL
Azrael é como o clichê BINGO dos anos 90, todo enrolado em um manto sombrio.

Vamos descer a lista, vamos?

Espadas flamejantes como armas - confere.
Capa escura - confere.
Nomeado como um anjo de vingança - confere.
Substituiu um personagem amado como uma versão mais extrema e violenta desse personagem - confere novamente.

Obrigado por jogar, Azrael!

02. HERÓIS RENASCEM
De todas as tentativas de pegar o que estava começando a se sentir como velhos personagens cansados ​​para, bem, o extremo, "Heróis Renascem" destaca-se como não só o mais ambicioso, mas também em retrospectiva um dos movimentos mais dor de cabeça dos anos 90.

Quente do sucesso de sua história em a "Era do Apocalipse" que viu a linha X-Men da Marvel transportada para um mundo alternativo por vários meses, a Marvel fez o aparentemente impossível e fez um acordo para fazer algo semelhante por um ano com seu Quarteto Fantástico e a Série dos Vingadores (incluindo Homem de Ferro e Capitão América). A produção de todas as quatro propriedades (com Thor sendo jogado como um jogador a ser nomeado posteriormente) foi literalmente criada por dois fundadores da Image - Jim Lee e Rob Liefeld (é claro), criadores que deixaram a Marvel no início dos anos 90.

O resultado foi um pouco lendário. Os méritos da narração de histórias e da arte (particularmente Os Vingadores e o Capitão América) são bem desgastados, mas o que é ainda mais surpreendente é quão baixos os títulos afundaram para exigir tal passe de Ave Maria, e como a Marvel na época aparentemente Ficava sem ideias internas para todo o portfólio dos Vingadores, uma circunstância impensável nos dias modernos.

01. X-FORCE
Aqui está, o extremo vovô de todos os clichês extremos dos anos 90, X-Force.

X-Force, e seu líder Cable, cresceram nos Novos Mutantes, bem no final dos anos 80. E enquanto a era sombrio e violento já estava em andamento, foi a X-Force que inaugurou a era dos ciborgues, capas de papel de enigma.

Você sabe, os anos 90.

A X-Force não apenas captou o zeitgeist (espírito da época) dos anos 90, como o inventou. Ame-o ou o odeie - não há meio-termo - a arte de Rob Liefeld era diferente de qualquer coisa que estivesse acontecendo nos quadrinhos da época. Um espetáculo energético de mutantes e desordem, a X-Force trouxe inúmeros de copadores, cada um fazendo uma paródia mais extrema da X-Force do que a anterior.

Nenhum comentário