Header Ads

Últimas Noticias

Crítica: UM RIQUEXÁ EM MUMBAI (2016)


Um Riquexá em Mumbai é conhecido também como Autohead.
Sinopse:Uma equipe de documentários começa a fazer um documentário sobre um motorista de riquixá em Mumbai. À medida que se aprofundam em sua vida, descobrem angústia, frustração sexual e paranoia que levam a um terrível fim.

Crítica:

Um filme diferente dos filmes indianos. Isso não é nada como "Bollywood típico" com suas histórias musicais. Bem ... há um pouco de número de dança bêbado, mas é realista e triste.

Os aspectos técnicos (som, edição, imagem, etc.) suportam bem o documentário pseudo-documental. Este filme foi como uma mistura de qualquer documentário real de honestos trabalhadores pobres de Mumbai, um filme estilo "Táxi Driver - Motorista de Táxi" (1976) de Scorsese , John McNaughton de "Henry; Retrato de um Assassino" (1986), um pouco do sentimento de "Assassinos por Natureza"  (1994) de Oliver Stone e algum tipo melhor de filme de terror psicológico "found footage" (filmes filmados no estilo de apenas uma câmera).

Na história, uma pequena equipe de filmagem documenta a vida cotidiana e o trabalho de um motorista de um riquixá Narayan (Deepak Sampat). No começo, parece um documentário sério sobre a vida simples de um homem de trabalho de Mumbai que está lutando para fazer as contas e se encontrar. Lentamente, detalhes cada vez mais preocupantes sobre ele se arrastam de pequenas maneiras, levando à perturbadora última parte do filme.

Deepak Sampat é impressionante no seu papel onde faz com que a frustração, humilhação e desarranjo se esconda atrás do rosto sorridente do motorista de riquixá Narayan vai mostrando outra faceta até o final do filme. Temos alguns personagens/atores interessantes como Ronjini Chakroborty interpreta de forma convincente Roopa, a bonita e autoconfiante prostituta e objeto indiferente do desejo de Narayan. Jhanvi Dwivedi é natural como a exigente mãe de aldeia de Narayan visitando seu filho. Até as partes pequenas dos locais são bem representadas e realistas, mostrando os cenários em ambientes de como é em alguns lugares da Índia.

Ele vem com uma ideia séria sobre os problemas da sociedade para citar alguns temos o sexismo, regionalismo e o interesse comum em violência e acima toda a idiossincronia que vão acontecendo com o personagem. Sem mencionar o fato de lançar luz sobre as dificuldades do menor denominador comum da sociedade e seus direitos dolorosamente mínimos. Vemos exemplos como uma mulher pagando apenas metade do preço e indo embora, sabendo que Narayan, sendo um motorista de riquexó, não pode fazer nada. Em outra cena, mais angustiante, vemos um cliente irritado que acha que está sendo levado por um caminho mais longo. Ele interrompe o passeio no meio do caminho ainda mais enfurecido pelo fato de que Narayan não é de Maharashtra, e começa a espancá-lo. Tais cenas são difíceis de assistir, e você não pode deixar de pensar no que os pilotos de riquexá devem enfrentar todos os dias.

Através disso, o filme explora a noção de ciclos de violência na sociedade, onde aqueles que são oprimidos, mais tarde atacam violentamente aqueles que sentem que têm domínio, mostrados quando Narayan mais tarde ataca as pessoas sem motivo aparente. E o ciclo continua.

O filme é também uma lição sobre o poder do silêncio e da contenção e quanto mais impacto e tensão uma cena pode ter sem a necessidade de um som ou melodrama avassalador.

Para mim, o conteúdo é importante, independentemente do estilo, da comédia ou das emoções que o filme oferece. Mas, apesar das falhas na narrativa, o filme contribui para uma experiência diferente.

No final, o filme pode dividir o público em as pessoas que gostarão e outras que odiarão. Alguns talvez sejam comprados pelo estilo, abordagem e valor único de entretenimento do filme. Eles podem não se sentir tão confortáveis sobre suas escolhas narrativas.

No entanto, mesmo com algumas atuações boas no filme, que não são muitas, a direção que a história leva ao final é decepcionante. O vapor nervoso que a narrativa acumula leva a uma série de eventos complicados, com toda a racionalidade jogada pela janela, que na minha visão o filme se torna decepcionante.

Uma bagunça de contradições, Narayan logo se torna cada vez mais homicida - e a equipe de documentário se mostra como cúmplice voluntária de todo esse caos, ao pensar em ser capaz de superar as “falsas notícias” que são vendidas na rede de TV enquanto querem mostrar "a vida de alguém pobre”com sua filmagem bruta de violência homicida de Narayan? fica uma controvérsia e tanto.

Classificação Final: 2/5




Este Filme ganhou alguns prêmios como Melhor Ator com Deepak Sampat no Festival Internacional de Filmes Fantásticos Bucheon (2016); Melhor Ator com Deepak Sampat no Festival de Cinema de Mumbai (2016); Melhor Ator com Deepak Sampat no Festival Internacional de Cinema Fantástico Puchon (2016); e foi nomeado em outras categorias como Rohit Mittal como Melhor Diretor no Festival Internacional de Cinema de Hong Kong (2016); Melhor Filme no Festival de Cinema Monster Fest (2016); Nomeado como India Gold como Melhor Filme no Festival de Cinema de Mumbai (2016); Nomeado como Melhor Filme no Festival Internacional de Cinema Fantástico Puchon (2016); e Nomeado como Melhor Filme e Fotografia no Sitges - Festival Internacional de Cinema da Catalunha (2016).

Confira o Trailer abaixo:

Nenhum comentário