Header Ads

Últimas Noticias

Crítica: RAMAN RAGHAV 2.0 (2016)

Sinopse:
Situado nos dias de hoje em Mumbai, a história segue a vida de um serial killer Ramanna que é inspirado por um infame serial killer da década de 1960 Raman Raghav. Sua estranha obsessão por Raghavan, um jovem policial continua crescendo enquanto ele o segue de perto sem seu conhecimento e muitas vezes cria situações em que os dois ficam face a face.

Crítica:
O filme é inspirado no assassino em série da vida real Raman Raghav, que operou em Mumbai na década de 1960, mas não exatamente um filme biográfico. É muito contemporâneo e, portanto, o título 2.0.

Nawazuddin Siddiqui (Raman) chamou as filmagens de uma experiência "mentalmente desgastante". Ao filmar o filme, como resultado do ambiente anti-higiênico, ele ficou gravemente doente e foi hospitalizado por cinco dias. Sua esposa contou mais tarde que Siddiqui estava repetindo seus diálogos do filme, enquanto estava semi-consciente.

Eu tive um motivo em assistir a esse filme que foi minha preferência por filmes de suspense psicológico, e assim foi uma procura pela Netflix por algo diferente.

O filme começa com um aviso de que não é sobre o verdadeiro Raman Raghav, mas em espírito ele está presente em todo o filme. O passado de Ramanna ou Raman (Nawazuddin) é bastante desconhecido e nem o filme mergulha muito nisso, bem como o verdadeiro psicopata Raman, cujo início de vida e incidentes eram desconhecidos para o mundo. Novamente, o episódio de sua relação abusiva com sua irmã é inspirado pelo abuso real de sua irmã por Raman Raghav.

Raman é um retrato de um serial killer sem emoção, que cuida de seus negócios de forma despreocupada. Mas há mais para ele do que isso, ele tem uma percepção de Raghav (Vicky Kaushal) em sua própria cabeça torcida e a maioria de suas ações no filme são guiadas por isso. Raghav não é mais um típico policial raivoso, ele tem muitos problemas e até o final do filme ele é mais um personagem no preto e branco de Raman. Ele tem falhas profundas, mas opta por lidar com elas à sua maneira.

Este filme não é, obviamente, a história de assassinos em série que é um caçador de policiais, e sim uma inversão de papéis em relação a isso. A interação real entre os dois personagens do título chega ao final. No entanto, o espectador nunca fica com a sensação de que as cenas que envolvem os dois não estão relacionadas.

Existem algumas sequências bem gravadas, aquela em que Simmy lembra os padrões duplos de Raghav em relação aos assassinatos e sua própria vida pessoal, a cena final entre Raman e Raghav. Vicky Kaushal mantém o terreno bem e é muito bom em seu retrato do angustiado Raghav. Sobhita Dhulipala teve um papel limitado devido às necessidades da história, mas é capaz de fazer justiça a ela e Amruta Subhash tem um papel pequeno, mas memorável.

Mas Nawazuddin leva o bolo aqui, dando seu melhor desempenho durante o filme. Ele retrata perfeitamente um assassino em série calmo e de sangue frio, com fragilidades mentais subjacentes. Ele pode parecer a pessoa mais fraca em toda a cena, fácil de descartá-lo apenas como um psicopata, mas há um método para sua loucura.

O filme é dividido em vários capítulos, que no caso o segundo capítulo chamado "A Irmã" é o mais afetivo de todos, mostrando um vislumbre assustador do passado e da psique de Ramanna. O capítulo final que reúne os três personagens principais do filme é uma reminiscência do confronto entre Brad Pitt, Gwyneth Paltrow (pelo menos uma parte dela) e Kevin Spacey em Se7en - Os Sete Crimes Capitais de David Fincher.

Como dito antes o  filme é como um livro com diferentes capítulos que lidam com diferentes situações e personagens. Ele exibe emoções como nunca antes visto. Cada cena diz algo, nada é redundante ou inútil. É uma montanha-russa de emoções.

Os monólogos estendidos de Nawazuddin Siddiqui esbanjam classe e são tão perturbadores quanto a cicatriz no lado direito de sua testa. O sangue e o derramamento de sangue no filme ajudam no choque dos eventos que se desenrolam diante dos olhos sem serem gratuitos. A música de Ram Sampath complementa a intriga e a tensão que passam pelo filme.

Este filme não é para os fracos de coração, mas deve ser experimentado, pois é uma indicação de quão longe os suspenses indianos chegaram na última década.

O diretor/escritor/autor geral Anurag Kashyap ele trilhou um caminho onde poucos tem coragem de fazer pois este filme é totalmente audaz.

Eu achei que tinha visto filmes que eram sombrios, mas esse é um resumo das profundezas mais obscuras (até mesmo literalmente) do puro mal, que é irredimível, não importa o que aconteça.  Não se engane, esta é uma experiência perturbadora. E eu sei que eu disse isso antes.

A trilha sonora é muito boa e adicionou sabor ao filme, tornando-o mais rico. Atuação é muito boa e bem natural. Mas acima de tudo, eu gosto do jeito que o filme foi finalizado. É realmente um exemplo de cinema não convencional.

Até a presente data está disponível na Netflix.

Classificação Final: 3/5




Esse filme ganhou vários prêmios como Melhor Ator por Nawazuddin Siddiqui e Melhor Roteiro no [Festival de Cinema Fantástico da Universidade de Málaga] (2016); ganhou por Melhor Performance como Ator por Nawazuddin Siddiqui no [Festival Internacional de Cinema Fantástico de Bucheon (2016)]; outro por Melhor Ator por Nawazuddin Siddiquiem no Screen Weekly Awards de 2017; teve nomeações como Melhor Ator de Nawazuddin Siddiqui, Melhor Fotografia, Melhor Direção nos [Prêmios de Filmes da Asia do Pacifico de 2016];  foi nomeado por Melhor Filme no Prêmio de Cinema de Sydney no Festival de Cinema de Sydney de 2016.

Nenhum comentário