Header Ads

Últimas Noticias

Novo Editor-Chefe da Marvel admite a adoção de identidade secreta japonesa para escrever Quadrinhos


O recém-promovido Editor-Chefe de interpretação CB Cebulski da Marvel Entertainment confirmou publicamente que escreveu para Marvel e outras empresas sob uma identidade secreta japonesa no início dos anos 2000. Cebulski escreveu sob o nome 'Akira Yoshida' simultaneamente para escrever e editar para Marvel sob seu próprio nome. Esta revelação suscitou preocupações de apropriação cultural pelo empregado de longa data da Marvel.

"Eu parei de escrever sob o pseudônimo de Akira Yoshida após cerca de um ano. Não era transparente, mas me ensinou muito sobre escrita, comunicação e pressão", disse Cebulski a Bleeding Cool . "Eu era jovem e ingênuo e tinha muito a aprender naquela época. Mas esta é toda a notícia antiga que foi tratada, e agora como o novo Editor-chefe da Marvel, eu estou virando uma nova página e estou ansioso para começar compartilhando todas as minhas experiências da Marvel com o talento que se aproxima em todo o mundo ".

Marvel posteriormente reconheceu à Variety que eles estiveram conscientes da situação por algum tempo, e dado o seu contrato parece estar em paz com isso, mas não está claro quem sabia sobre o pseudônimo na época. Em 2005, o editor de Mike Marts, da Marvel, disse à Comics Should Be Good que almoçou com Yoshida e que não era um pseudônimo. No passado, a empresa manteve os pseudônimos de alguns criadores no privado.

O primeiro trabalho publicado por 'Akira Yoshida' foi uma história na antologia de 2004 o Hellboy: Contos Bizarros # 4 , desenhada por Kia Asiyama. Depois disso, Cebulski-como-Yoshida escreveu vários títulos para Marvel, incluindo X-Men / Quarteto Fantástico , Elektra: O Tentáculo, Thor: Filho de Asgard, X-Men: Era do Apocalipse e Wolverine: Soultaker . O crédito final publicado pela Yoshida na Marvel foi a minissérie do X-Men: Kitty Pryde - Fogo & Sombras do final de 2005 , embora Cebulski-como-Yoshida voltou ao Dark Horse para mais um projeto - Conan e os Demônios de Khitai de 2006 .

Enquanto a Marvel tinha uma política interna revelada publicamente na época para restringir os redatores de escrever para a empresa, Cebulski estava entre vários, incluindo o editor-chefe Joe Quesada, que tinha permissão para escrever projetos da Marvel.

A conclusão do trabalho de escrita da Marvel de Cebulski como Yoshida coincidiu com a saída de Cebulski da empresa como editor depois de quatro anos. Na época, Cebulski afirmou que a partida era concentrar-se mais em projetos criados, incluindo vários projetos da Image Comics e uma antologia internacional, Jetlag. Cebulski voltou para a Marvel, no entanto, no final de 2006, para liderar o novo departamento de desenvolvimento de talentos da empresa. Cebulski continuou escrevendo para Marvel intermitentemente depois disso, sob seu próprio nome.

Os criadores escreveram sob pseudônimos no passado, voltando para Jack Kirby e Stan Lee, mas Cebulski-como-Yoshida promoveu a questão conduzindo entrevistas como o escritor aparentemente japonês, incluindo uma entrevista de 2004 com o Vaneta Rogers no Newsarama.

"As pessoas sempre pedem escritores e artistas japoneses porque o simbolismo religioso católico e cristão é tão prevalente em muitas séries japonesas de mangás e anime, como Trigun ou Helsing. Eles parecem pensar que os criadores estão tentando fazer algum tipo de afirmação sobre a religião ocidental em contraste com o budismo e o xintoísmo. Desculpe, mas geralmente não é nada tão profundo ", respondeu Cebulski-como-Yoshida." As respostas são muito mais simples ... 1.) Cruzes e simbolismo religioso parecem legais e fornecem ótimas imagens, 2.) Os japoneses não fazem isso realmente entendo a religião ocidental para que os criadores possam tirar mais algumas liberdades ao contar histórias sobre essas práticas, e 3.) há um ar de mistério em torno da religião ocidental e sua história de violência que faz grandes histórias. Eu acho que esses mesmos três pontos são verdadeiros para o fascínio ocidental com a história e a cultura japonesas. É legal, é misterioso fazer quadrinhos emocionantes e violentos ".

Yoshida foi descrito como um escritor japonês em um perfil CBR de 2005 e incluiu vários detalhes biográficos que o editor-chefe do site, Albert Ching, agora relata

"Para começar, Yoshida cresceu no Japão, lendo o mangá. Desde que seu pai estava em negócios internacionais, ele passou parte de sua infância vivendo em EUA, onde aprendeu Inglês lendo quadrinhos de super-heróis e assistia TV e filmes", lê o perfil de 2005 . "Quando criança, o escritor disse que sempre quis trabalhar em manga japonês ou na indústria de quadrinhos americanos. Felizmente, ele teve o privilégio de fazer os dois como um adulto".

De acordo com o perfil de Facebook de Cebulski , ele nasceu em Easton, Connecticut e se graduou uma escola secundária como Chester B. Cebulski. Ele afirma que ele passou na Universidade Tufts, em Massachusetts, com um período no Japão na Universidade Kwansai Gakuin também.

Nenhum comentário